domingo, 24 de agosto de 2014

Direto da horta para sua porta!


Direto da horta para sua porta!
Neste final de semana tive minha primeira experiência com um serviço de delivery para verduras e frutas.
E qual a razão de uma entrega a domicílio ao invés de comprar direto no supermercado?
Mais do que a comodidade, a escolha foi movida pela segurança na procedência destes alimentos.
São alimentos orgânicos, ou seja, não-transgênicos e sem agrotóxicos!
Faz bem pra saúde e mais, estimula o pequeno produtor a seguir em frente.
Esses bravos heróis da resistência, que resistem à industrialização e sua visão de lucro a qualquer preço, à custa da saúde das pessoas e a degradação do meio ambiente!
Uma vez que o consumidor opta por esses produtos, do seu produtor local, ele fortalece uma importante cadeia produtiva.

Em Porto Alegre, já há quatro feiras orgânicas:

Na Av. Loureiro da Silva, nº 515 às quartas-feiras, pela manhã
Na Av. José Bonifácio, 675 – Bonfim aos sábados e domingos, das 7h às 13h
Na Avenida Getúlio Vargas, 1.384, aos sábados, das 7h30 às 13h
Na Rua José Bonifácio, 1ª quadra às quartas-feiras, das 14h às 19h

Acesse o link para demais cidades em todo o país

E para quem não puder estar presente em uma delas naquele dia e horário específicos, é que iniciativas como a da Viverde vem crescendo. Você faz sua lista e acerta o dia da entrega, sempre com uma antecedência de no máximo dois dias para que os alimentos venham sempre fresquinhos.
https://www.facebook.com/viverde.organico?fref=ts


Com farta opção de vegetais e também grãos e cereais, dispõe também, para quem ainda é ovovegetariano, de ovos obtidos de aves de aviário e não de granja, os chamados ovos caipira, que não contém hormônios e permitem às aves contato com a natureza.



Essa crescente procura por alimentos saudáveis e com certificação de procedência tem se refletido também nas prateleiras dos supermercados. Há mais verduras e frutas com o selo orgânico. 

Os preços são ainda um pouco mais elevados que os convencionais, porém no que diz respeito à saúde convém fazer as contas, se seu alimento é fonte de saúde, por certo não irá gastar com remédios na farmácia! Vale a pena o investimento!





leia também

AGRICULTURA FAMILIAR - ALIMENTAÇÃO - AGROECOLOGIA - SEM AGROTÓXICOS - Página de Links


A IMPORTÂNCIA DE NOSSAS ESCOLHAS DIÁRIAS DE CONSUMO







Dizy Ayala
Ação pelos Direitos dos Animais 




Defensora e Ativista dos Direitos dos Animais,

Formanda em Publicidade e Propaganda

Blogueira, Vegana.
Grupo Ação pelos Direitos dos Animais  no facebook

quarta-feira, 20 de agosto de 2014

O que há de errado com o leite? Fraude no leite? O leite é uma fraude!


O que há de errado com o leite? 

Fraude no leite? O leite é uma fraude!


Dizy Ayala

As denúncias de irregularidades têm sido frequentes e recorrentes. O que nos faz pensar se são mesmo a exceção ou a regra do jogo.

Há um ano teve início a ofensiva contra a fraude no leite no Rio Grande do Sul, e desde então, o Ministério Público lamenta que pouco – ou quase nada – tenha mudado. Em maio de 2013, a Operação Leite Compensado escancarou um esquema de adulteração do leite crú no estado através da adição de água e ureia (com formol), em que transportadores ajustavam o produto em postos de resfriamento e repassavam às indústrias.

Já foram seis etapas da Operação Leite Compen$ado no Rio Grande do Sul e da suspeita de irregularidades em duas cooperativas gaúchas no início deste mês, as operações, denominadas de "Leite Adulterado I" e "Leite Adulterado II".

VEJA OS LOTES DE LEITE CONTAMINADO NO RIO GRANDE DO SUL COM FORMALDEÍDO E APREENDIDOS NA OPERAÇÃO LEITE COMPEN$ADO


De acordo com os investigadores, o leite era misturado com ureia, contendo formol, para mascarar a adição de água. É investigada também uma empresa de fachada que serviria para a compra de componentes químicos para a adulteração.

Verdade seja dita, as denúncias de adulteração já vem acontecendo desde 2007, quando foi indicada a presença de água oxigenada. 

Segundo promotor, esquema ganhou força e se espalhou por toda a cadeia. MP recebeu análises com novas substâncias usadas na adulteração.

“É o mercado que está sendo receptivo, acolhendo a fraude” - Promotor Mauro Rockenbach

Ciente do problema que persiste, apesar dos esforços, o chefe da Divisão de Defesa Agropecuária do Mapa e superintendente adjunto no Rio Grande do Sul, José Severo, entende que não há uma fórmula pronta para solucionar o caso.

http://www.aefood.com.br/2014/05/um-ano-apos-inicio-de-ofensiva-mp-diz-que-fraude-no-leite-se-expandiu/

Além do Rio Grande do Sul, outros estados serão investigados para saber se também houve adulteração no leite, informou o Ministério da Agricultura. O foco inicial da operação foi na Região Sul, onde existe a figura do transportador de leite.

lotes apreendidos em São Paulo e Curitiba

O portal G1 fez contato com a Secretaria Estadual da Agricultura, Pecuária e Agronegócio (Seapa) para falar sobre as ações efetivas que estão sendo tomadas pela Pasta no combate à fraude. No entanto, a assessoria de imprensa do secretário Cláudio Fioreze não conseguiu encaixar na agenda um espaço para conceder entrevista. O mesmo ocorreu com o Sindicato das Indústrias de Leite do Rio Grande do Sul (Sindilat-RS), que não designou nenhum representante.

6 mil unidades de Toddynho não foram recolhidas




Você já parou pra refletir que não precisa consumir  leite! Você, consumidor pode parar com todo esse esquema de fraude, agora mesmo! A ideia da necessidade do consumo do leite, por si só já é uma fraude!

Os seres humanos são a única espécie que bebe leite mesmo na idade adulta. 

Na primeira infância, assim como para todos os mamíferos, temos nossa principal fonte de alimento, o leite materno.

O leite da vaca é para o bezerro.

Para que seja concebido para alimentação humana, ele é adulterado desde a sua fonte, a vaca!

Ela que precisa estar constantemente grávida, sem nunca ser mãe, pois seu leite não irá alimentar seu filhote e sim a indústria leiteira que quer sempre mais e mais lucro. Já na vaca são inseminados hormônios e antibióticos de maneira a estimular sem limites a produção do leite. Uma vida de exploração animal, de um leite que inflama os ubres e produz mais pus do que leite.

Seguem-se então as várias alterações a partir daí, muitas delas para mascarar cheiro e aspecto, uma verdadeira maquiagem, com  o uso de químicos, agressivos ao organismo e com potencial cancerígeno, como o formol.

Ao invés de pagar pelo próprio veneno e compactuar com uma cadeia de produção inescrupulosa e cruel, você pode optar por beber café, chá e mesmo o leite vegetal. São inúmeras opções saudáveis e saborosas.

Leite! Não tem que vir da vaca!


E se o custo de comprar a caixinha pronta, for tão cara para seu bolso, quanto é para o meu, faça em casa.

A relação custo benefício, fica super lucrativa, para o bolso e para a saúde!

Leite de castanha, assim como todas as outras amêndoas, basta um punhadinho, em torno de seis, em um litro de água e bater no liquidificador. Depois é só coar. A cor e textura assemelham-se muito ao leite tradicional. E o gosto, fica a seu critério, com a adição de frutas e achocolatado. 

Em mercados populares, como aqui em Porto Alegre, o Mercado Público, há bancas especializadas, como a Armazém do Mercado e Banca 12, com grande variedade e preços bem em conta. Um pacotinho de castanhas, por R$ 8, 00 dá para 4 a 6 litros de leite.

Seu valor biológico é grande para fins alimentícios, pois contém em torno de 17% de proteína – cerca de cinco vezes o conteúdo protéico do leite bovino.

Assegure a sua saúde e de sua família, ajude a acabar com a farsa do leite e seus derivados. 

Opte por queijos vegetais como o tofu, Mandioqueijo entre outros. Há várias opções de pastas vegetais, similares ao requeijão, inclusive com sabores como o queijo gorgonzola e provolone.




Para saber mais assista o video do cardiologista e nutrólogo Dr. Lair Ribeiro:O mito do leite! Por que estamos todos sendo enganados?







Latícínios não fazem parte de uma alimentação saudável afirma estudo da Universidade de Harvard


Acesse o link e aprenda 12 receitas de leites vegetais!
http://acaopelosdireitosdosanimais.blogspot.com.br/2015/06/aprenda-12-receitas-de-leite-vegetal.html



Dizy Ayala
Ação pelos Direitos dos Animais 




Defensora e Ativista dos Direitos dos Animais,
Formanda em Publicidade e Propaganda
Blogueira, Vegana. dizyayala@gmail.com
Grupo Ação pelos Direitos dos Animais  






segunda-feira, 11 de agosto de 2014

Mini, Big, Pig e a Petificação Todos tem Direito à Vida, Animal não é Comida


Mini, Big, Pig e a Petificação
Todos tem direito à vida, animal não é comida


Dizy Ayala
11 de agosto de 2014

Cresce o número de pessoas que têm feito dos porquinhos seu bichinho de estimação.
Os chamados mini pigs foram alterados geneticamente de maneira que não cresçam tanto quanto um porquinho comum. Há toda uma questão a ser discutida aqui quanto à criação desses animais para o mercado de pets, como já acontece em relação a cães de raça, uma vez que se faz necessária a fiscalização sobre essas criações e o tipo de tratamento que têm suas matrizes, os progenitores dos filhotes. Diferente do caso dos cães, onde a população sem pedigree é imensa e campanhas de adoção, extensa, para que se atenda a essa população, a ideia de ter um porco como pet é mais recente. Até hoje, porcos, assim como bois e galinhas, vinham sendo, apenas, produzidos pela inseminação artificial para servir à indústria pecuária, o fato de o mercado se abrir para a criação desses animais para serem tidos como de estimação, é muito estimulante e significativa, se for possível retirá-los do prato e acolhê-los com o coração. Conforme depoimento de Milena Dias, que tem como bichinho de estimação, dentre outros, um mini pig, Pérola, que tem, inclusive, uma página na web, “um animal tem muito mais a oferecer do que um pedaço de carne!”.



Assim como cães e gatos, todos os animais são dignos de estima e todos tem a capacidade de sentir, sofrer e partilhar afeto. À medida que mais pessoas se permitem perceber essa realidade, esses animais que até então eram tidos como comida terão a chance de serem enxergados como verdadeiramente são, seres vivos com direito à vida e bons companheiros!

Algumas campanhas vêm se intensificando e ganhando espaço nesse movimento de petificação, que é reconhecer em qualquer animal, a condição de ser um pet, um amigo!




Desenhos como Peppa do canal Discovery Channel ilustram a relação afetiva dos porquinhos com o público infantil, cabe refletir, o quanto os adultos vêm revendo suas escolhas quanto à alimentação, pois uma vez que há o estímulo ao amor por animais, há que se colocar em prática esses valores. 


Como se explica amar um porquinho e comer a carne de porco? É incongruente, sem sentido. Podemos dizer que se trata de uma esquizofrenia moral, pelas palavras de Gary Francione, conhecido por seu trabalho sobre a teoria dos direitos animais e foi o primeiro acadêmico a lecionar esse tema em uma faculdade de Direito americana. Breve explicação sobre o tema em http://www.anima.org.ar/libertacao/abordagens/uma-observacao-sobre-a-esquizofrenia-moral.html


É possível ter uma prática que alia sensibilidade e bom gosto! E como é gratificante quando preservamos os valores da infância, quanto ao amor aos animais e proporcionamos aqueles pratos apetitosos e já tão populares em nossa cultura! Há opções veganas no mercado que imitam essas comidas, como os cachorros-quentes, burritos e o próprio bacon.

São exemplos disso marcas como a Superbom, Tofurki e a Goshen, com uma grande variedade de produtos.


 Cada vez mais surgem iniciativas criativas e muito bem-vindas para agregar sabor sem crueldade. 


Os cusquinhos são a pedida do Delivery Veg em Porto Alegre/RS
cachorrinhos com salsicha vegetal e massa sem ovo e lactose
https://www.facebook.com/pages/Delivery-Veg/240208532835549?fref=ts

quer saber mais? assista!






Dizy Ayala
Ação pelos Direitos dos Animais 




Defensora e Ativista dos Direitos dos Animais,
Formanda em Publicidade e Propaganda
Blogueira, Vegana.
Grupo Ação pelos Direitos dos Animais  no facebook
dizyayala@gmail.com


sexta-feira, 8 de agosto de 2014

O Tigre e o Menino A Relação com a Natureza


O Tigre e o Menino
A Relação com a Natureza
Dizy Ayala
08 de agosto de 2014

Na última semana se falou muito do caso do menino que esteve em um zoológico, acompanhado do pai e irmão e após atiçar um tigre, correndo de um lado a outro da lateral da jaula, em local proibido a visitantes e até mesmo oferecer ossinhos de galinha ao animal, colocando o braço por dentro da grade, teve seu braço arrancado pelo tigre. Triste história de dor e sofrimento para o menino que teve seu braço amputado, sem possibilidade de reconstrução, para seus familiares e para o animal que imediatamente foi isolado, onde se cogitou a hipótese de sentencia-lo à morte e que mesmo agora, depois de absolvido, ainda permanece cativo em prisão perpétua no zoo, pelo simples fato de existir.

Foi grande a repercussão e discussão sobre a responsabilidade do pai do menino, tendo em vista que ele era o responsável pela segurança dele e pelo que consta presenciou toda sua movimentação, sem intervir, pelo menos não de maneira efetiva, para afastá-lo das grades e do perigo iminente de ser atacado. E que do ponto de vista do tigre foi uma reação natural ao estímulo e não um ataque. Por certo que esse pai não pretendia que seu filho se ferisse, porém não teve qualquer discernimento na sua atitude naquele dia.
Diante de situações trágicas como essa, há sim como se retirar importantes e necessárias reflexões. Definitivamente, se faz necessário perceber qual o tipo de convívio com a natureza que a sociedade propõe para suas crianças. Sim porque esse foi um dos argumentos do pai, para a escolha do local do passeio, “ele adora animais”.

A natureza é soberana e tem sido desafiada pelos homens, que chegaram por último por aqui. Perdeu-se a relação de respeito, a noção de limite e qualquer recurso ou qualquer outra espécie é considerada ao dispor da raça humana, sem qualquer tipo de escrúpulo ou bom senso. Espécies selvagens como o tigre, tão belos e imponentes, estão cativos em jaulas para que possam ser expostos diante dos olhos curiosos dos humanos. E por aqueles poucos instantes, são condenados a viver uma vida inteira de prisão.


Quando estão livres, em seu habitat natural, como em países da África, têm sido gerados em cativeiro, com auxílio da engenharia genética, para produzir maior quantidade de animais e mais dóceis, pois são privados de suas relações parentais e quando atingem a juventude são liberados para o campo aberto para que sejam caçados. Sim eles foram concebidos para serem abatidos! E para quê? Para que pessoas estúpidas se sintam valorosas por expor os corpos já sem vida, como troféus?! Fazem esses safaris levando suas famílias e incluindo também as crianças nessa prática vil, de segurar fuzis maiores que sua própria estatura para retirar a vida de um ser vivo. Costumo dizer que o pai e a mãe que promovem tal prática, cometem um duplo delito, eles matam o animal e também a infância de seus filhos, retirando sua humanidade e lhe passando uma total inversão de valores sobre com se relacionar com a vida em si.

Mesmo sabendo de tudo isso, ainda foi possível me surpreender, quando há poucos dias, chegou até mim, um pedido internacional de petição, que pela pressa do dia-a-dia, repassei sem traduzir e que pela foto, me pareceu se tratar de uma fábrica de peles da China. Sim porque a vaidade humana é capaz de conceber que a exuberância da pele de um animal pode lhe ser arrancada para vestir o corpo de uma pessoa indecente. Amo felinos e suas cores e traçados ímpares, dignos do capricho dos deuses, porém, foi dada a capacidade criativa do homem para que pudesse reproduzi-las em material sintético e jamais tomar para si o que não lhe pertence!


Para minha surpresa, após o retorno de um dos contatos a quem remeti a petição, recebi um texto que trazia os detalhes da tal “fábrica de tigres”. Pois retiram sim a pele do animal e de sua carcaça lhe retiram os ossos para fazer vinho!  

A pequenez desses humanos, os que produzem e os que consomem, se traduz nessa imagem, reduzir um animal magnífico, a pequenos ossos, para fazer disso uma bebida?!

Somam-se a essa, as fúteis e abjetas práticas de retirar o marfim dos soberanos elefantes, a bile dos ursos, mantidos vivos por décadas, para diariamente terem seu corpo violado, para produção de cosméticos e o caso do bichinho da Amazônia que de tão seletivo quanto aos grãos de café, hoje também é mantido em cativeiro para ser alimentado constantemente, não há mais a seleção natural, seu nível de produção das fezes, é totalmente induzido e mais uma espécie tem uma vida degradante no cárcere para a degustação do paladar exótico e cruel ou pelo menos desavisado de alguns, pq para muitos ainda é vendido o produto como da floresta amazônica!

No que diz respeito ao filme As Aventuras de PI, temos um menino indiano, que também em circunstâncias trágicas, ele perde sua família em acidente de navio, vive uma experiência fantástica, como náufrago, em companhia de um tigre selvagem. É explícita a relação de perigo, mas também de respeito de Pi diante daquela inusitada situação. Os dois, menino e o tigre mantém uma distância segura e coabitam em várias diferentes circunstâncias. Lutam por sua sobrevivência e Pi, na condição de humano é que em vários momentos de profunda humildade resignação, inclusive diante do Criador, e outras inventivo, determinado, conduz o pequeno barco para a possibilidade do resgate.




Creio sim, que é essa relação de respeito e humildade que tem se perdido para boa parte da humanidade e isso é doloroso porque colhemos o que plantamos e se semeamos dor colhemos sofrimento. É triste ver quantas crianças pagam pelo mal difundido pelos adultos. Sim porque crianças e animais são equivalentes em inocência. A corrupção do que é natural, a ordem natural das coisas é sempre da sociedade, do status quo, aquela denominação indeterminada e inespecífica, de propósito para que a gente não se enxergue ali. É assim porque sempre foi assim! Todo mundo faz assim! Só que esse todo mundo é feito pela participação de cada um, em particular. Cada um pode sim fazer diferente, não para ir contra ninguém, mas para ir a favor da vida e do que é digno. Poder passar verdadeiramente esses valores para as gerações futuras para que haja um futuro próspero e mais promissor no horizonte!

Se ainda estamos aflitos, fazendo a travessia do barco à revelia, um tanto perdidos diante do mar aberto, que sejamos guiados por bons princípios, movidos pela compaixão por toda criação! A passagem mais marcante para mim, no filme, é quando já esgotado pelo sol inclemente, as noites de tempestade sem dormir, a fome e a sede, Pi está prestes a encontrar a morte, quando em alto mar surge uma “revoada” de peixes, eles estão a se a se arremessar contra ele que está no meio do caminho e quando fica um peixe retido no barco a se debater, também o menino, se debate diante da tragédia e ora, pedindo perdão por fazer do peixe seu alimento! E chora enquanto o devora, assim, mais como animal do que humano. Sim os animais devoram por instinto e são cativos de uma cadeia alimentar, aos humanos foi dado o raciocínio e o arbítrio de discernir sobre suas escolhas.

E essa verdade mais de que um fardo, é uma libertação, podemos nos libertar da violência, agora mesmo, deixar de ser cúmplices do cárcere, maus-tratos e morte infligido a tantos irmãos animais. É hora de se questionar e mudar!






Dizy Ayala
Ação pelos Direitos dos Animais 




Defensora e Ativista dos Direitos dos Animais,
Formanda em Publicidade e Propaganda
Blogueira, Vegana.
Grupo Ação pelos Direitos dos Animais  no facebook
dizyayala@gmail.com

segunda-feira, 4 de agosto de 2014

Bate Papo sobre Veganismo


Bate Papo sobre Veganismo



Dizy Ayala
04 de agosto de 2014

No último sábado de julho, dia 26, tivemos a oportunidade de realizar um Bate Papo sobre Veganismo no evento Descobrindo a Casa Liberdade 2.0 realizado na Casa Liberdade – R. Liberdade, 553 em Porto Alegre/RS.

Ainda não conhecíamos o local e viemos atraídos pela proposta de ter esse espaço livre para vários temas e ações com quem pretende se informar e atuar de maneira efetiva e inovadora.

A Casa é muito ampla e acolhedora, onde cada espaço é propício e utilizado para o compartilhamento.

Fomos recepcionados e participamos da abertura do evento

Especial agradecimento a Marco Lovatto, que foi nosso contato primeiro e sempre muito gentil, nos deu as informações e suporte necessário para realização da nossa atividade.







Após conhecer e reconhecer muitas pessoas legais dentre administradores e participantes, seguimos à Sala de Reuniões, local que propiciou uma conversa próxima, direta e agradável.




O Bate Papo sobre Veganismo propôs compartilhar informações e ressaltar o papel fundamental de cada um como agente de mudanças para sua vida pessoal, para a sociedade e também para o planeta. Destina-se ao público em geral que se interessa por existir de maneira a contribuir e não apenas esgotar recursos naturais. Foram apresentadas informações acerca de nossas escolhas diárias de consumo e opções de mercado. 



Da parte dos convidados foram feitos questionamentos contribuições muito valorosas para que aprofundássemos o tema.
Da esquerda para a direita: Victoria, Angela Silveira, Márcio Brufatto, Sandra Campelo, Vera Telichevesky, 
Dizy Ayala, Marise Jalowitzki, Eloisa Marcolin e, em frente, Érico da Silveira. 

A informação tem papel fundamental sobre as escolhas que fazemos e também a decisão de tomar essa responsabilidade por um consumo consciente que percebe o quanto tudo está interligado, desde a produção, impactos ambientais, produtores, empresas e mercado consumidor.


O quanto é possível colaborar com uma economia mais ecológica e compassiva para pessoas, meio ambiente e animais. Isso é o Veganismo, que mais que filosofia de vida é ativismo!



E para fechar com chave de ouro, o almoço promovido pela Casa Liberdade foi a Paella Vegana do querido Chef Joan. 



Eu estive aqui! Quer participar?
acesse
  https://www.facebook.com/groups/casaliberdade/?fref=ts

Dizy Ayala
Ação pelos Direitos dos Animais








Defensora e Ativista dos Direitos dos Animais, 
Formanda em Publicidade e Propaganda
Blogueira, Vegana.
Grupo Ação pelos Direitos dos Animais  no facebook
dizyayala@gmail.com