sábado, 24 de fevereiro de 2018

POR QUE AGORA? Por que discutir o transporte de carga viva no Brasil?


POR QUE AGORA? Por que discutir o transporte de carga viva no Brasil?

Por Dizy Ayala

Assistindo ao debate no Canal Rural, me ative a um ponto em particular que foi levantado...
POR QUE AGORA?
Por que discutir agora, tendo em vista que há 20 anos já existe o transporte de carga viva no Brasil?
Para assistir o debate acesse http://www.canalrural.com.br/noticias/bancada-rural/polemica-envolvendo-exportacao-animais-vivos-72265

Além do fato de ter sido um número vultuoso, expressivo e ainda muito maior do que qualquer outro navio, o NADA tem capacidade para o transporte de até 30.000 bois.


O que é que mudou?
A opinião pública mudou!

Em pleno século 21, as pessoas têm mais acesso à informação e estão mais esclarecidas acerca de tudo que envolve a principal atividade econômica do Brasil.

Em um momento em que cada vez mais pessoas estão despertando para novos hábitos alimentares, a máxima “se você parar de comer, eles param de matar” se vê brutalmente atingida quando o país busca outros países para comercializar os animais vivos que estamos retirando da alimentação.

O fato de o Brasil ser maior produtor de carne do mundo é que faz com que empresários e políticos ligados a esse setor estejam na contramão de países desenvolvidos e que se espantem diante da opinião pública, que julgam equivocadamente ser uma minoria, uma meia dúzia.  E argumentos como vai quebrar a economia, vai gerar desemprego, não “colam” mais, a economia já quebrou, o desemprego já é o maior dos últimos anos e definitivamente a exploração animal da indústria da carne, está maculada para além do sangue dos inocentes, de corrupção financeira, da falta de saúde da população, vivemos a maior crise de saúde relacionada à má alimentação de toda a história e também os efeitos da degradação do meio ambiente.

POR QUE AGORA?
Porque hoje cada vez mais pessoas tomam conhecimento dos estudos realizados por pesquisadores, cientistas, ambientalistas, climatologistas, médicos e nutricionistas. Não é “uma minoria” que aponta os danos à saúde pelo consumo da carne (não, não é preciso matar animais para alimentar as pessoas), aliás, em pleno século 21, a tecnologia permite às pessoas continuar a comer carne. Países da Europa, Oriente Médio, Estados Unidos e Canadá estão produzindo carne à base de plantas. O Brasil é que está na contramão por conta de interesses de um específico grupo investidor. 

Não, o novo mercado consumidor não está quebrando a economia, aliás, os empreendedores veganos são responsáveis por boa parte do seu crescimento, em tempos de grandes transformações no mercado.

Quanto ao meio ambiente, não é papo de “eco chato” falar em sustentabilidade. Desde a Convenção de Kyoto, em 1996, estão sendo demonstrados os efeitos de degradação do meio ambiente por parte de atividades exploratórias, e sim, conforme dito no debate, vamos discutir o petróleo, o impacto ambiental de tudo, SIM, é isso que vários países de todo o mundo estão fazendo! Discutindo e implementando potencial energético de energias limpas e renováveis e por mais que evitem admitir, a pecuária é a maior responsável pela degradação do planeta. Todo excremento, fezes, urina e sangue dos animais está a poluir o solo, os rios e mares. 

Quanto maiores os rebanhos, maior nível de poluição, em proporções avassaladoras. Onde nos curtumes, são descartados mais de 50 químicos de alta toxicidade no leito dos rios. A preciosa água, já tão escassa, está repleta de dejetos e químicos.

Já temos o desafio de atenuar o que foi feito, é preciso reduzir drasticamente atividades que promovem dano ambiental e que repercutem diretamente na saúde das pessoas.

Isso não é só papo de vegano . É preocupação de toda pessoa sensata, seja ela vegana, vegetariana e até carnista. Não vamos esquecer que boa parte dos veganos e vegetarianos de hoje, já foram consumidores de carne um dia. E porque se informaram, mudaram seus hábitos.

POR QUE AGORA?
Mesmo pessoas que ainda consomem carne e alimentos derivados de origem animal, estão diminuindo o consumo, porque estão se informando acerca dos benefícios para sua saúde, para o meio ambiente e porque, em pleno século 21, não querem compactuar com uma indústria que explora e mata animais. Não precisamos matar para viver.

O que mudou é que as pessoass estão mais informadas e estão optando por um modelo de consumo que preserva a natureza, a vida dos animais (comprovadamente, seres que sentem e sofrem como a gente) e também sua própria saúde.

Se engana quem pensa que essa é uma briga entre quem come e quem não come carne, estamos todos no mesmo barco. Todos nós, consumidores, estamos interessados em qualidade de visa, saúde, com os impactos ambientais, mudanças climáticas, escassez de água e alimentos.

Não se trata apenas de uma questão econômica, é uma questão de consciência, afinal somos todos consumidores e cabe a nós movimentar a economia. E não gerar dividendos a quem interessa apenas lucrar à custa da vida de inocentes animais, da saúde das pessoas e dos recursos do planeta, que é o lar de todos nós!



Dizy Ayala

Blogueira, Revisora, Escritora, 
Vegana.
Formanda em Publicidade e Propaganda -  
Universidade do Vale do Rio dos Sinos - Unisinos
Páginas no facebook
Uma Escolha pela Vida
Ação pelos Direitos dos Animais  


Faça parte você também da construção de um mundo mais compassivo, 
com maior qualidade de vida, respeito ao meio ambiente 
e aos outros seres que o dividem conosco.

Adquira o seu exemplar de Uma Escolha pela Vida 
através do e-mail dizyayala@gmail.com ou pelo Whats App (51) 981085255

Mais infirmações no link